Antônio de Souza Filho
Meus Escritos
Textos
Morte
A grande vencedora

Ela sempre vence, quer seja no inicio, no percurso ou no fim da vida.

Parece-me um grande lutador de Boxe, cruel e implacável,  oportunista, cheio de artimanhas e estratégias, ao menor descuido do adversário ele o leva a nocaute. Às vezes o castiga do começo ao fim, dado a sua teimosia ou resistência física e ao fim vence por pontos. Só não completo o raciocínio porque entre os boxeadores existem fãs, admiradores, coisa que a desprezível morte não tem; sim, porque nesse esporte eles se preparam, mas Ela não, já nasceu preparada.

Mas, como tudo no mundo tem seu propósito com Ela também não é diferente, mesmo sendo odiada é passível de compreensão, coitada, imagino que se tivesse escolha não seria assim tão horripilante para ser tão desprezada.

Certo dia na faculdade de direito o professor de filosofia levantou o tema e magistralmente discorreu sobre o assunto, amado e querido como até hoje ele é relutei em discordar em certos aspectos até ser convencido do contrário, - foi quando uma colega se manifestou, dizia ela: - para os que estão em Cristo à morte não assusta, pois Ele a venceu e nos fez acreditar na vida eterna. Pronto, me calei, mas fiquei com meus botões, "quem é que em sã consciência quer ver Cristo se tem que passar pela morte? Não conheço ninguém que queira morrer".

Hoje penso diferente, tenho por Ela grande respeito, não medo, também não a quero nas proximidades, que fique pra lá, por onde estiver.

Só continuo relutando indignado e extremamente incompreensível com a tal Cobra, Maçã e Eva que nos tirou do paraíso, segundo a Bíblia.

Como seria bom se ainda tivéssemos aqui todos os amados que já se foram, avós, pais, mães, irmãos, tios, primos, amigos queridos, não é mesmo? Mas não é assim, temos que aceitar e crer que um dia, estaremos todos juntos, outra vez no paraíso. Até lá temos que fazer por merecer, retidão de caráter, amor no coração, perdão, caridade, honestidade, enfim, opção pelo Bem.

Parece frio pensar assim, mas em determinados momentos a gente desaba e somente o choro é capaz de fazer passar a dor. Todos tem um canto pra chorar, eu também tenho.

Quanto a Morte, vai continuar vencendo e nos dando a única certeza que temos na vida ”Ela chega” cedo ou tarde.

Saudades!
Antônio Souza
Enviado por Antônio Souza em 07/06/2018
Comentários
O Enigma de Esmeralda R$29,90
Site do Escritor criado por Recanto das Letras